O curioso caso de Benjamim Button (2008)

17 01 2009

benjaminbutton

 

O Curioso Caso de Benjamim Button é um belo filme, que carrega em sua essência a experiência  rica de um bom livro, nesse caso um conto do grande escritor F. Scott Fitzgerald.

A história do homem que nasce velho e morre bebê é emocionante e similar às estripulias de um Forrest Gump, que é aquele sujeito por quem não se dá nada e que consegue ao longo de sua vida provar o contrário, vivendo fantasias que poucos conseguem. É aquela idéia do American Dream, onde todos podem ter seu lugar ao sol se batalharem por isso. Percebi isso logo no início do filme e tive minha impressão confirmada nos créditos, pois não sabia que o roteirista era Eric Roth, o mesmo de Gump.

A produção do filme é fantástica, com ricos detalhes e caracterização em todos os lugares em que se passa. Outro ponto importante a se ressaltar é a excelente maquiagem, pois quase não reconheci Brad Pitt quando velho. O modo de contar a história é similar a Titanic, ainda mais por usar uma velhinha que conhecia o personagem principal e teve o nele o grande amor de sua vida.

Um ponto a ser observado é a constante presença da morte, as cenas iniciais de Benjamin na velha pensão em Louisiana e a descrição de seus personagens é pura poesia e uma das melhores coisas do filme. Todos os personagens são marcantes, com destaque para Queenie, a mãe de Benjamin Button, interpretada por Taraji P. Henson.

Aliás, falando em atuação, Brad Pitt está ok, mas acredito que se ele realmente estivesse amadurecido como ator, esse seria um dos papéis de sua vida. Ganhando Oscar ou não, ele deveria ter aproveitado essa grande chance, pois o roteiro do filme é ótimo e esse é daqueles trabalhos que todo ator sonha conseguir.

Uma das lições que podemos tirar de Benjamin Button é o quanto devemos saborear cada bom momento que temos em nossa vida. Aliás, o inexorável tempo é a questão central do filme, personificado no belo relógio cujos ponteiros andam em sentido contrário, feito por um pai desolado que gostaria de voltar no tempo e reaver seu filho.

Todos temos escolhas e o livre-arbítrio é uma das maiores armas de qualquer ser humano, pois viver em arrependimento é terrível e desnecessário; e esperar alguma coisa acontecer não leva ninguém a lugar algum.( Aprendemos isso com o excelente personagem – e atuação – de Tilda Swinton).

Por isso siga o meu aviso e aproveite o máximo que puder, pois você pode não ter a sorte de ser atingido 7 vezes por um raio e sair vivo!

A melhor frase que define esse filme é dita pelo capitão Mike (Jared Harris), outro grande personagem do filme: “You can be as mad as a mad dog at the way things went. You could swear, curse the fates, but when it comes to the end, you have to let go”.

Anúncios

Ações

Information

22 responses

17 01 2009
Julia Carvalho

Também tive essa impressão…

17 01 2009
Kau

Denis, perfeito. Acho que Brad faz o que deve fazer, mas nada de memorável. Entretanto, acho que Cate Blanchett tem , aqui, seu melhor papel atual, só perdendo para sua atuação em Elizabeth. Minha crítica tá lá… com a nota mais alta do ano, até agora (junto com Gomorra).

Abraços!

17 01 2009
Anderson Siqueira

Assisti a esse filme ontem e ainda estou digerindo-o como você. Mas sei que me impressionou bastante! A técnica, o roteiro, as atuações… pra mim foi tudo quase perfeito.

NOTA (0 a 5): 5
*****

17 01 2009
Otavio Almeida

Tô indo ver agora… Depois te conto! Abs!

17 01 2009
Cassiano Sairaf

Eu não gosto dessa coisa de Oscar, pelo contrário, acho que um filme sem a premiação do Oscar, como foi Magnólia e Sangue Negro por exemplo, e muitos outros do Stanley Kubrick, são muito mais valorizados do que Crash.

17 01 2009
Rodrigo

Denis, considere linkado no meu blog! Adorei esse pequeno trecho antes da crítica. Ainda não pude ver o filme, mas verei amanhã. Passarei aqui para comentar.

Parabéns pelo blog!
Abraços

18 01 2009
Gustavo H.R.

Aguardo muito esse filme, já até sonhei com ele. Não que seja por ser de David Fincher, mas pela história e pela produção que parece belíssima.
Pitt não parece ser a aposta mais certeira para uma indicação ao Oscar, como Rourke e Penn, mas veremos.

Linkei sua página na minha!

Cumps.

18 01 2009
João Paulo

Acho que o momento não é agora …
Mas como dizem … existem esperas que valem a pena … Mas eu tenho a CERTEZA que o filme é foda!

Abraços e já tá linkado!

18 01 2009
Kamila

Eu também não gostei da atuação do Brad Pitt e, digo mais, nem da da Cate Blanchett. A única performance que me emocionou foi a da Taraji P. Henson e, mesmo assim, acho que ela apareceu pouco em cena! Mas, o filme é lindo!!!!

E você já está linkado lá no Cinéfila por Natureza. 😉

18 01 2009
Murilo

Olá Denis,

Primeiramente, parabéns pelo blog, está ótimo!
E, com certeza, autorizo a publicação de meu texto sobre Encurralado, ficarei extremamente grato e feliz por isso.

Muito obrigado, e pode incluir o link sim, já vou incluir o seu na minha lista também, ok?

Abs

18 01 2009
Otavio Almeida

Humpf!

19 01 2009
Wally

Ótimo texto Dennis. Acho que você conseguiu compreender a expierência muito bem. Também achei um fantástico filme. Mas ao contrário de você adorei Brad Pitt, cuja performance é contida, mas carrega um brilho inestimável.

Ta linkado lá no Cine Vita!

Ciao!

19 01 2009
Anderson Siqueira

Eu vi também e achei fabulosos, mágico, fantástico. Pitt está muito bem, além das outras atuações. A produção, como você disse, é fora de série. Trilha sonora, efeitos visuais… tudo é quase perfeito.

NOTA (0 a 5): 5
*****

19 01 2009
Marcus Vinícius

Excelente filme, ainda não tinha visto esse belo poster. As histórias são muito boas, começando pela do relógio. Filme foda, pra resumir.

E o Aloísio hein, não me digam que vão escantear ele, é um baita centroavante.

Inté

19 01 2009
Thaiane

Assiti ontem e estou à procura do livro para comprar. Parabenizo o diretor de fotografia (que esqueci o nome agora). Aquela cena em que Daisy dança num coreto, à luz da lua, para Benjamin…é uma das mais lindas…cor, contraste…impecáveis!

Também não me agradou ele ser contado pela própria Daisy, ao mesmo tempo que remete à própria crítica que o filme faz (viva a sua via intensamente, cada momentinho que ela nos dá!) e, obviamente, sobre à questão da velhice.

Nem o que falar sobre a maquiagem! Tanto para o Benjamin, que foi rejuvenescendo, quanto para os personagens que envelheceram! IMPRESSIONANTE! A técnica do dublê de corpo foi algo intrigante….e fantástica! Fiquei o tempo inteiro procurando alguma cena que entregasse algum errinho, mas não consegui!

A virada dramática é sutil e linda! Nas primeiras horas, é vantajoso o ato de rejuvenescer. Chegando a me fazer pensar onde estaria o problema em ficar mais forte, mais ávido, mais bonito ao passar do tempo. Só depois, compreende-se, muito bem, as dificuldades dessa “anomalia”. Curva dramática bem construída…muito bem contruída!

Enfim, vale à pena passar as rápidas 2 horas e 55 minutos na poltrona! Delícioso! Impressionate! De tirar o fôlego! Recomendo!

Valeu, Dennis pelas informações adicionais!

22 01 2009
Milly

Esse filme é impressionante! muito bom mesmo.
Alguém poderia por essa frase do capitão Mike em português?

🙂

abraços.

18 11 2009
Retrospectiva 2009: Parte 1 « Sociedade Brasileira de Blogueiros Cinéfilos

[…] CINEMA COM BRENNO Cassiano Sairaf MUSEU DO CINEMA Cecilia Barroso CENAS DE CINEMA Denis Torres CINEMANÍACO Diego Rodrigues CINEMANIA Felipe Rocha INDUBITAVELMENTE Fernando Império CINEBUTECO Gustavo […]

28 12 2009
Jakeee

Tradução adaptada:
“Você pode estar furioso quanto um cachorro raivoso as coisas do modo que foram.
Você poderia jurar, amaldiçoar os destinos, mas quando isto chega ao fim, vocô tem que deixa ir.”

28 12 2009
Jakeee

“Você pode estar furioso quanto um cachorro raivoso as coisas do modo que foram.
Você poderia jurar, amaldiçoar os destinos, mas quando isto chega ao fim, você tem que deixa ir.”

28 12 2009
Jakeee

“Você pode estar furioso quanto um cachorro raivoso com as coisas do modo que foram.
Você poderia jurar, amaldiçoar os destinos, mas quando isto chega ao fim, você tem que deixa ir.”

22 03 2010
amanda m.

“Você pode ser tão louco como um cachorro louco na maneira como as coisas foram. Você poderia jurar, amaldiçoar o destino, mas quando se chega ao fim, você tem que deixar ir” frase do mike em portugues .

9 05 2010
Karla

Alguém pode me dizer a frase final do filme? Obrigado

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




%d blogueiros gostam disto: