Promoção “O Homem que Engarrafava Nuvens”

8 01 2010

Para concorrer à promoção é só respondar corretamente às seguintes perguntas:

1) Quem é o homem de terno branco reverenciado pelos grandes artistas da MPB. Veja o vídeo e descubra.
2) Para você o que é engarrafar nuvens? Veja o que grandes artistas da MPB podem te inspirar a responder essa pergunta.

Os 3 primeiros participantes que responderem corretamente ganharão entrada livre para assistir a pré-estréia desse filme em São Paulo City ou RJ. Maiores informações sobre local, data e horário é só clicar no pôster do filme. E principalmente deixem um e-mail para fácil contato.

Sabe aonde anda o Belchior? Engarrafando Nuvens!!! Não perca tempo!

Promoção Encerrada.





Será que é bão?

8 10 2009

Vídeos do VodPod não estão mais disponíveis.

more about "Será que é bão?", posted with vodpod

Será uma mistura de Tigre e o Dragão com o misticismo do cambomblé e costumes do povo da Bahia? Esse é imperdível! Vaga no Oscar já!!! Só pelo apuro visual já coloca no chinelo Salve Geral e pra ganhar na história não precisa de muito esforço não. Oxente bichinho!

Besouro se chama e tem estréia programada nos cinemas para 30 de outubro.





Linha de Passe (2008)

24 06 2009

jobtitle_quad_JOBNO

Linha de passe é um filme extraordinário. É daqueles filmes que fazem você sentir orgulho de ser brasileiro e ver uma luz no fim do túnel. Eu o revi recentemente, pois ano passado não tive tempo de escrever a respeito do mesmo. Daí pensei comigo: “se for pra escrever alguma coisa, tenho que estar inspirado”, pois um filme desse calibre merece todo o meu respeito e admiração. Na minha opinião, se tem alguém capaz de um dia ganhar um Oscar brasileiro de melhor filme, esse alguém se chama Walter Salles, que aqui divide a ótima direção com a não menos competente Daniela Thomas.

É como eu digo para meus amigos: ” As melhores coisas da vida são as mais simples possíveis e feitas sem esforço aparente.” É o que acontece com este filme, desde seu roteiro primoroso até a atuação minimalista de seus atores, nada parece estar fora do tom. A sensibilidade irradiante deste filme toca até o mais duro coração e a descrição de seus personagens é extremamente complexa, sem ser pedante e artificial. Tem o talento de lidar com situações desagradáveis mas nunca é maçante e a atenção do espectador é presa do começo ao fim.

A história mostra o cotidiano de uma família paulistana tentando combater a sua falta de recursos e alcançar o tão almejado “lugar ao sol” ou ao menos um modo de vida mais digno. Esse quinteto familiar é composto pela mãe e chefe de família, Cleuza (Sandra Corveloni, numa atuação espetacular, que lhe rendeu o Cannes de melhor atriz) e seus 4 filhos e suas ocupações detalhadas magistralmente: Denis (motoboy) , Dario (aspirante a jogador de futebol), Dinho (frentista de posto) e Reginaldo (um pivete folgado à procura de seu pai).

Cleuza é uma mãe batalhadora, corinthiana roxa  e trabalha como empregada doméstica à espera de seu quinto filho sem pai! Denis, enrolado dos pés à cabeça, vive duro e correndo atrás de dinheiro para pagar a pensão de seu filho; Dario, luta para passar em diversos testes de peneira e conhece a dura realidade do mundo da bola; Dinho, crente fervoroso, tenta aceitar Deus e compreender seus desígnios misteriosos e os difíceis testes de provação postos em seu caminho. Por fim, temos Reginaldo, o mais novo dos quatro, que nunca conheceu seu pai e tal qual o mesmo, sonha em ser motorista de ônibus.

O mais impressionante neste filme é a tranquilidade e serenidade com que a história é desenvolvida. A edição ágil acompanha um a um e nunca se perde. A câmera registra isso num estilo quase documental, o que torna o filme coeso e extremamente equilibrado, fornecendo um panorama realista de todos os personagens. E o melhor é que não há comiseração pelas pessoas, não há redenção e esperados finais felizes. Tudo é sugerido muito sutilmente. O filme todo é de uma poesia dura, convicta e que aperta na ferida sem dó.

A linha de passe perfeita na vida não existe. Ou se existe, ela é feita de saber superar seus obstáculos diários, de enfrentá-los de peito aberto, cabeça erguida e sempre pronto para o drible desconcertante. Coisa que o povo brasileiro é mestre.

Nota: 9 com louvor